terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Último post do ano

E sim este será provavelmente o último post desde ano no nosso blog...

Este projecto contigo Soul faz todo o sentido para mim... És especial e única na minha vida.... e isso reflecte-se exactamente neste cantinho só nosso que ninguém conhece, que ninguém desconfia... Nada do que escrevo aqui não foi já debatido contigo Soul e bem esmiuçado... 365 dias por ano, aqui ou do outro lado do mundo fizes-te e fazes parte da minha vida todos os dias, minutos e segundos...

Que a nossa amizade nunca mais tenha intervalos e que perdure sempre...

Este ano foi um ano de muita mudança (casa, emprego, até telemóvel lol e sim apenas o namorado ainda deve vir longe no seu cavalo branco) umas boas, outras nem tanto... Mais um ano em que muitas pessoas entraram mas também saíram da minha vida... arrependimentos poucos, momentos felizes muitos...

Sim o meu coração continua a bater por ti, secretamente contínuo à espera que olhes para mim um dia e penses: porra fui mesmo estúpido! olha o que perdi" lol Acho que no fundo queria isto... Nunca seria feliz contigo mas pagaria para ver e sim mandava-me de cabeça, na maior das loucuras da minha vida que era ter uma relação contigo... Espero que no final de 2015 o meu discurso seja diferente (acho que nunca vai ser)...

Que este novo ano seja bom (não peço que seja o melhor peço apenas que seja feliz) que sejamos felizes, junto de quem nos faz bem e nos ama... que muito mais histórias tenhamos para contar no nosso cantinho e que a vida nos encaminhe para onde devemos ir...

Feliz ano novo <3



 

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Como se faz para esquecer alguém que se ama?

Queremos muito esquecer aquela pessoa, os dias passam e sentes que nada muda. Senti isso anos seguidos. É um aperto no peito, um nó na garganta.
Depois há fases. 
Fases em que ficas uma hora sem essa pessoa te passar pela cabeça, depois 2 e um dia que chegas ao fim do dia e pensa... " Boa hoje só agora pensei em ti" e no dia a seguir... fica outra vez uma hora, e apenas uma hora, e pensas " Bolas porque em vez de me melhorar hoje piorou?
Andamos assim meses e meses a fio.
Porque QUEREMOS muito esquecer.
Amiga L&L acho que so podemos estar no bom caminho quando deixamos de querer, e simplesmente sentes que realmente não pensas na pessoa como antes, não moves o mundo para a ver, que deixas de ver o facebook todos os dias  e sem querer pensas " olha ontem não vi" Sem pensar, sem querer... simplesmente acontece.
Pode demorar meia dizia de meses, 1 anos... 2 ... 3... nunca esqueceres completamente, mas a dor vai diminuindo, a magoa, a revolta... tudo isso torna se leve... e depois apenas fica a memória. 

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Hoje... Agora...

Hoje, queria conseguir esquecer-me de tudo. Ou talvez não de tudo. Queria apenas conseguir esquecer-te. Não estar sempre com o pensamento em ti. Não sentir a garganta apertada. Não ter o coração a bater depressa e a dizer-me, sem pausas: «Ainda o amas!»

Não, hoje, queria esquecer-me de ti. E de tudo aquilo que ainda sinto. Tudo aquilo que ainda me tira o sono. Tudo aquilo que ainda relembro, que ainda me queima na pele, que ainda me tira o fôlego. E que ainda me faz chorar.

Queria. Hoje. Agora. Porque preciso de ter-me de volta, outra vez, para ser capaz de viver esta nova vida: sem ti.


Espírito Natalício

Pois é este ano fui imbuída de um espírito natalício que nem é nada meu...

Resolvi quebrar algumas barreiras que tinha construído com algumas pessoas que são importantes para mim, por mais que eu tente convencer o mundo, e principalmente a mim própria, que não o são...

E sim fui tomada por este espírito altruísta, de saudosa, de boazinha, com vontade de corrigir erros, de dar oportunidades, de transformar o mundo (o meu mundo)...

E pronto lá fui eu enviar uma mensagem provavelmente a uma das pessoas que mais gosto à face da terra (facadas por admitir isto), uma mensagem simples, educada e acima de tudo sincera onde desejei um feliz natal e que este novo ano lhe trouxesse a maior felicidade do mundo, que sabia que não tínhamos neste momento qualquer tipo de relação e que sabia que tal aconteceu por culpa minha mas que não podia não dizer-lhe que lhe desejo o melhor... Foi de coração... No momento em que escrevi aquela mensagem (esteve guardada no iPhone 2 dias até ter coragem de mandar) pus de lado toda a mágoa, a raiva, a tristeza, a angústia de o ter tão longe, de ele nunca ter estado o perto que quis e de eu o ter afastado para sempre...

Naquele momento, naquela mensagem era só eu e ele... não havia terceiros, não havia discussão, não havia provocação, não havia segundas intenções... naquela mensagem só havia carinho, desejo de bem e felicidade, de amizade, de amor (?)...

Escrevi o que me ia na alma porque o carinho que (estupidamente) sinto por ele é maior que a minha mágoa, sei que se ele quisesse voltar atrás eu voltava sem olhar para trás porque no fundo era isso que queria, que o meu coração mais desejava... Perfeita loucura I know
Mas realmente o coração tem desígnios muito estranhos e quase incompreensíveis...

E sim... cerca de 4 meses sem nos falarmos, com uma relação inexistente, sem contacto (a não ser o social a que éramos obrigados), sem interacção... eis que eu resolvo quebrar o gelo com uma machadada e enviar esta mensagem sentida, vinda directamente do coração e não da cabeça (no ponto alto da minha irracionalidade)...

17.15h - mensagem enviada

17.19h - mensagem recebida

O coração dispara... Não esperava uma resposta muito menos tão rápida...

E sim se eu mandei uma machadada no gelo que criei entre nós, ele mandou outra de volta e o muro de gelo abriu um valente buraco...
Acredita que não gosto de estar assim contigo, apesar das nossas cabeçadas gosto de ti e até acho uma certa piada... estas foram algumas das palavras da resposta... Penso que esta também foi uma mensagem sincera de alguém que de facto não gosta de estar assim comigo, que no fundo sei que gosta de mim, e que não tem culpa de não gostar de mim como gosto dele... E não não o posso culpar disso... Obviamente que duvido que a nossa relação volte ao que um dia já foi (para bem do namoro dele), sei que dificilmente serei amiga do casal, porque não consigo, porque não se pode ser amiga de quem se gosta, porque não estaria a ser sincera comigo própria... mas tal não invalida que lhe desejo o melhor, porque gosto dele, porque quero que seja feliz, porque sei que sempre o protegi, porque sempre lhe quis bem... porque o sentimento que tenho por ele é maior que a mágoa que também lhe tenho...

17.30h - depois de ler a mensagem umas 400 vezes decido não responder... Sei onde a conversa nos pode levar e não quero...

Um dia quem sabe tudo mude... a vida dá muitas voltas... talvez eu esteja cá... talvez não...

Até lá que ambos sejamos felizes... separados... juntos... o futuro ninguém sabe...

Sê feliz...









domingo, 21 de dezembro de 2014

Já não estou...

Já não estou.
O amor não aguenta tudo. As palavras não podem ser ditas assim. Os atos são isto: um pedaço de nós que fala sobre o que sentimos. Mesmo que julguemos estar calados.

Já não estou e sei que é melhor assim. Levo só o que importa. E o que importa é pouco. É o suficiente para ir de braços soltos e de pernas com coragem de caminhar em frente. E tem de ser o suficiente para recordar o que passou sem mágoas que me derrubem o amanhã. E o depois.

Um dia destes, talvez nos encontremos.

E talvez o amor esteja nas palavras que não poderão ser ditas.

(Já) Não importa.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Pensamentos das 3.30h da manhã

São três e meia da manhã... Acabadinha de chegar a casa, lixada com a minha idiota vida amorosa resolvo ver fotos antigas... Demoro um tempo imenso no álbum "Londres" e olhei para as fotografias e pensei "porra eu era feliz" e acho que era mesmo... Não consigo mesmo ter jogo de cintura, saco ou paciência para esperar... Esperar que o sentimento surja, que as coisas evoluam ou que a vida avance... Eu quero o agora, quero o presente sem medos... É sim eu era feliz... Não estava apaixonada mas era feliz... E o maior medo é de nunca mais voltar a sentir a felicidade do estável, do presente e do agora... Ando com sorte zero ao nível das relações... Em dois anos a única pessoa que realmente gostei nunca quis ficar cmg (sim doi mas é essa a verdade) e sempre que me interesso por alguém booooommm algo acontece! Msg de Natal para ti última aquisição do coração/ego/pancada (FdX sou mesmo uma idiota com sentimentos a mais): sê feliz sozinho!!! Pelos vistos consegues! Continua-te a esconder atrás da capa do i am better alone!! Eu faço um: Over and Out!! Sim estou bêbeda e sim isto é p que me apetece enviar lhe... Feliz natal 🎅🎅🎄🎄😡😤😤😤

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Quando metes tudo em causa?

Sabem quando se levantam depois de uma noite inteira a chorar? É assim que estou hoje, como não me lembrava de estar à muito tempo.
Quando a pessoa que está ao teu lado, que diz que te ama, que amas, que sempre viste como o homem certo para ti, começa a deixar te com dúvidas,  começas a por em causa se é possivel, pois em causa os sonhos, a magia, o encanto.
Espero que isto me passe, que tenha sido apenas e só mais uma discussão entre namorados que se amam e que se chateiam como todos os outros, acredito que sim. Mas nunca, nunca me tinha questionado se poderei  ou não ser feliz ao lado dele.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

O que fazer ao desejo?

"Quando existe – ou já existiu amor – o desejo mais instintivo não se desvanece. A pele tem memória, a simples presença do outro faz saltar tudo, como o Jack in the Box. De repente dispara, como uma arma que não conseguimos comandar, porque é um Desejo Partilhado. Em nada tem a ver com resolver a urgência física com a rapidez e limpeza com que aprendemos a fazer sozinhos quando entramos na adolescência. Esse é o prazer solitário. Tem a ver com uma mistura em que o todo resulta maior do que soma das partes; o toque, o cheiro, o olhar, o peso, o movimento, o calor dos corpos, o aconchego, a oxitocina misturada com a adrenalina.  fica tudo debaixo da pele, como uma película fina e densa. Todos os outros corpos parecem estranhos, indiferentes, ou repugnantes. É o amor que torna o desejo pessoal e intransmissível. Porque o  coração também não é um país democrático, só aguenta um tirano de cada vez. Por tudo isto, o que fazer ao desejo? Nada. Esperar que passe. Ter paciência. Dar tempo ao tempo.
E um dia, de repente, mudam--se os tempos, mudam-se as vontades. E a verdade passa a ser outra." - MRP 

Porque o coração tem memória e teima em não esquecer o que o cérebro passa todo a o tempo a querer apagar... Ansiando pela mudança dos tempos e destas loucas, parvas vontades... 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Racionalizar sentimentos

Mas que raio de bicho é esse? Como se racionalizam sentimentos? Deixamos de os sentir se os racionalizarmos?

Como podemos fazer isso? Como não sei mas há quem... assustadoramente o consiga fazer...

Como se pode fazer sem perder a sanidade mental e pior a sanidade emocional? Como podemos fazê-lo sem nos tornarmos uma pedra desprezível impossibilitada de nutrir sentimentos?

Serão essas pessoas felizes? Terão a vida mais facilitada? ou apenas mais vazia?

Como se lida com alguém que é assim? Que diz que não quer gostar, que não quer amar, que o melhor é estar sozinho, que assim é mais feliz, que a vida é assim, que nunca vai mudar, que fugirá de qualquer pessoa que ponha em perigo precisamente essa falsa serenidade adquirida às custas de uma solidão que fazem crer ser desejada...

Podemos ser felizes sozinhos? Será isso possível? Não haverá um momento em que tudo muda? Em que não podes mais fugir?

No fundo esta racionalidade não é uma grande treta?
Quando alguém se gosta o mundo pára de girar, tudo muda dentro de ti, tudo o resto se eclipsa... Será que estas pessoas se esqueceram como se ama? Esqueceram-se da parte boa de teres uma relação, de teres alguém ao teu lado? Será que o coração morreu ou vive moribundo na prisão para onde essa maldita racionalidade o enviou?

Essas pessoas assustam-me... Sou a favor da racionalidade mas há limites como em tudo na vida... Nada em exagero é saudável ou faz bem...

Estas pessoas protegem-se tanto que um dia a armadura cai e ai sim são mesmo feridos de morte porque na realidade deixaram de ir à guerra há tanto tempo que nem sabem como usar as armas necessárias... E quem não o é pode estar cheio de feridas e mazelas mas estará preparado para avançar e lutar...







quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Acordei a sonhar que querias falar comigo. 
Deixa me em paz, larga-me... Estou farta disto! 

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Sunset



Hoje sonhei contigo... outra vez... mais uma vez.... Sonhei que tudo tinha passado... que a tempestade passou e que o sol brilhava lá fora, para nós, para ti... 
Sonhei com aquilo que no fundo o meu coração queria que acontecesse... Porque me dói olhar-mo-nos mas não nos vermos, numa tentativa vã de sermos invisíveis os nossos olhos, aos olhos alheios... 
Queria voltar atrás, queria que voltasses atrás, queria que tudo mudasse, queria que tudo se encaixasse e que este sentimento desaparecesse como por arte de magia... Queria ter essa força, essa vontade, essa capacidade, esse dom... Dom de esquecer, dor de não sentir... 
Queria ter-te aqui comigo, queria a amizade, queria a palhaçada, queria as implicâncias, queria que voltássemos a ser o que sempre fomos mas o que não podemos jamais voltar a ser... 
Queria voltar a estar contigo sem constrangimentos, fingimentos, com a transparência de outrora.... 


I always thought it was sad
The way we act like strangers
After all that we had
We act like we had never met

You were more than just a friend
Oh, but the feeling
It never came to an end
I can't bear you seeing

When I see you again
And I'm greeted as a friend
It is understood
When we did all we could









A Maldita Esperança

A Esperança é a ultima a morrer... dizem muitas vezes associada à força, à coragem!
Eu não vejo as coisas assim, é muitas vezes a esperança que as coisas mudem que nos fazem estar agarrados a pessoas anos e anos, infelizes, a lutar por casamentos, por relações, com a esperança que as coisas mudem! Mas não mudam... ou mudam quando dissermos CHEGA.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Alguém acredita nisto?

Quantas vezes não atendeu o telemóvel à sua namorada e, como consequência, teve direito a uma crise conjugal? Ou disse 'à sua mais-que-tudo' que ia estudar com amigas e foi confrontado com uma cena de ciúmes à antiga?
Pois. Muitas. E é por essa razão que lhe 
contamos o que se passa na mente das mulheres quando os homens não atendem o telemóvel ou não têm pressa em conhecer os futuros sogros.






Quando o telemóvel está desligado
O que as mulheres pensam: A primeira coisa que passa pela mente feminina é que está a traí-la com outras mulheres e por isso desligou o telemóvel.
O que realmente se passa: Ficou sem bateria no smartphone, algo que todas as pessoas sabem bem que é bastante comum.
Quando está a estudar com amigas
O que ela pensa: A cada página virada é uma peça de roupa que salta do corpo
O que realmente se passa: Está fechado numa biblioteca a estudar com amigas que são mesmo amigas e nada mais que amigas.
Quando subtilmente foge ao momento de conhecer os pais dela
O que ela pensa: Esta é fácil. Se se tentar escapar a conhecer os sogros a única coisa que ela vai pensar é que o fez porque não quer dar o próximo passo na relação.
O que realmente se passa: É tímido e ainda não está preparado para enfrentar o futuro sogro.
Quando vai sair com os amigos
O que ela pensa: Esta também é muito fácil. Se diz à sua namorada que vai sair com os seus amigos ela vai imaginá-lo num bar de strip a ser quase obrigado por eles a tocar na stripper. E quem sabe a fazer coisas piores.
O que realmente se passa: Está em casa ou num bar tranquilo a ver futebol com os amigos ou a jogar FIFA, Pro Evolution Soccer ou Football Manager.
Quando não fazem sexo pela manhã
O que ela pensa: O sexo na noite anterior foi tão mau que já nem quer olhar para ela, quanto mais voltar a ter relações.
O que realmente se passa: Está cansado e quer descansar.
Quando não envia uma mensagem de “bom dia”
O que ela pensa: “Ele já não me ama. E ontem, depois da última mensagem, foi sair e traiu-me”.
O que realmente se passa: Ainda está a dormir.
Quando não a quer apresentar aos seus amigos
O que ela pensa: “Ele prefere morrer a que os amigos saibam que namora comigo”.
O que realmente se passa: Sente-se um tanto ou quanto desconfortável por apresentar a sua mais-que-tudo aos seus amigos que, sabe bem, conseguem ser inconvenientes mesmo sem querer.

Mas alguém acredita que é isto que realmente pensamos? E alguém acredita que é isto que eles realmente fazem? Não nem o mundo é tão negro do lado feminino nem tão cor de rosa por parte dos homens. 
Não somos um poço de ciúmes infundados somos sim... atentas e porquê? Porque os homens na sua maioria não são confiáveis... quanto mais vivo mais acredito nisso LOL

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Os Efeitos Secundários da Paixão

"Não há nada melhor do que estar apaixonado. Nem pior.
Há quem fique com alergias de pele, dores de barriga, insónias, suores frios, fraqueza nas pernas, falta de apetite. Há quem se sinta paralisado de medo e passe meses em negação a dizer a si mesmo e ao outro, não, eu não estou apaixonado, não sou dado a estas coisas, isto passa, como se fosse uma constipação. E depois percebe que a constipação dura há 5 meses e que não há doses diários de vitamina C que resolvam o problema, porque estar apaixonado pode ser mesmo um grande problema.
Há quem saia todas as quintas, sextas e sábados em busca de outras caras e de outras vozes que façam esquecer a única que vemos e ouvimos durante a maior parte das 18 horas que estamos acordados e grande parte dos restantes que tentamos dormir. Os mais incautos arriscam a trazer para casa alguém completamente diferente par ver se pega, mas não pega, e dez minutos depois o outro já está a ser empurrado porta fora porque não pertence à nossa casa, à nossa vida e nunca mais o queremos ver.
Fazem isto os mais aventureiros, os mais kamikaze ou os mais novos, que ainda acreditam que as coisas podem mesmo mudar de um dia para o outro. Nunca mudam. Mudam um dia, quando menos esperamos, quase nunca quando mais desejamos.
Com o tempo uma pessoa aprende a mastigar a paixão com serenidade, a esperar que o tempo dite se vai ou não transformar-se numa história de amor, se a vida vai ou não dar-nos uma oportunidade. Nem sempre depende de nós. Nem sempre depende do outro. Às vezes depende dos dois, mas um quer muito e outro não sabe. Ou nenhum consegue dar o primeiro passo. Ou o outro pede-nos tempo e não sentimos que já não temos energia para lhe dar o tempo que ele precisa.
Ou então ficamos com medo porque o outro que estava ali todos os dias deixou de estar e é como se tudo o que vivemos nunca tivesse existido. Há quem devore uma embalagem de gelado de Pralinés & Cream às colheradas de sopa, há quem veja episódios repetidos da Anatomia de Grey ou do Scandal durante um fim-de-semana sem se levantar do sofá, há quem se vingue no ginásio e faça três aulas seguidas, há quem se refugie no trabalho e saia do escritório no último minuto possível.
Quando estamos apaixonados ficamos insuportáveis para o mundo, mas sobretudo para nós próprios. Queremos e não queremos sentir as borboletas na barriga, queremos e não queremos receber uma mensagem de bom dia ou de boa noite, queremos e não queremos acreditar que vai correr tudo bem, porque se por acaso não der certo, nem queremos pensar como nos vamos sentir a seguir.
Acima de tudo queremos acreditar que somos fortes e que o amor não nos mata, mas sabemos que mói, que cansa, que entristece, que enfraquece, que chateia quando não temos o que queremos. É muito risco para tão poucas certezas. E muitos sonhos a entupir a realidade. E muito desejo que fica por cumprir, porque quando estamos apaixonados queremos tudo aqui e agora e o outro nem sempre pode, nem sempre quer, nem sempre consegue. O outro, que também foi apanhado na curva, tem a vida dele, os problemas dele, os fantasmas dele para resolver. Mesmo que nos ame profundamente, nem sempre consegue amar-nos quando e como queremos.
Estar apaixonado não é uma escolha, é uma espécie de fatalidade. Não escolhemos quem se senta ao nosso lado no avião ou que carro se cruza com o nosso na estrada. Não escolhemos o dia em que nascemos nem o dia em que morremos. Não escolhemos os pais nem os filhos. As coisas mais importantes na vida nunca são escolhidas por nós.
Por isso o melhor é aceitar e aprender a viver com elas. E estar apaixonado, por mais trabalho que dê, é sempre melhor do marinar numa existência morna, com ou sem companhia. A companhia está dentro do peito, dentro de nós, é como uma semente: uma vez plantada, vai crescendo silenciosamente e quando damos por ela já tem o tamanho de uma árvore e é preciso uma escavadora para a arrancar."
Palavras sábias MRP 

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Não aguentei...

E pronto não aguentei e sim contei à minha amiga que o namorado dela lhe tinha mentido... Segurei-me muito acreditem, muito mas mesmo muito mas de facto não sei lidar com mentiras, muito menos mentiras assim...

Sábado à noite e ligo à minha amiga para combinar estar com ela já que mal tínhamos falado a semana toda... Confesso que tinha uma enorme esperança que em 5 dias ele tivesse tido a coragem de lhe dizer a verdade nem que fosse para não correr riscos de ser eu a contar... Qual não é o meu espanto que logo ao telefone ela faz um comentário em que de imediato percebo que nada foi dito e continua na completa ignorância...
E pronto a revolta instala-se...

No entanto resolvo que nada vou dizer e que logo que saia de ao pé dela o irei confrontar e obrigar a contar a verdade... No entanto o desfecho foi outro...

Vou então beber café com ela e ela resolve-me contar como foi a festa de anos que foi na noite anterior e que conheceu um rapaz que achou super interessante, que obviamente não tinha acontecido nada porque namorava, mas não conseguiu evitar que ele mexesse com ela... enfim uma panóplia de sentimentos de culpa absurdos e de um respeito imaculado pela relação... Ora eu ai comecei a encher e quanto ela mais falava dele mais me passava na cabeça: Ela está a perder tempo com este namoro! Há um mundo inteiro lá fora!
A certa altura, eu já nem conseguia olhar para ela tal era o meu sentimento de culpa de ela estar a fazer literalmente figura de parva e eu não fazer nada para impedir...

E puff explodi e expliquei-lhe tudo tim tim por tim do que se tinha passado, não escondi nada e já que tinha começado agora ia até ao fim... Ela ficou estupefacta mas não tão surpreendida quanto eu supunha que ficasse, justificou-me que já lhe tinha apanhado algumas mentiras, nada obviamente que se assemelhasse a isto mas ainda assim mentiras...

Enfim na relação deles não teve muito impacto é um facto mas a minha consciência ficou bem mais limpa, mais sossegada e com o sentimento de que fiz o que foi necessário e ponto.

Não consigo lidar com mentiras, não consigo conviver com alguém e mentir-lhe todos os dias, obviamente que tenho de ter uma proximidade extrema para não o fazer porque também eu já menti, para me proteger, para proteger outra pessoa e essas eu consigo ter justificação, tentar entende-las de alguma forma... agora mentiras sem justificação só porque sim... a sério não atinjo por mais que tente...

Pus a minha amizade com ele em risco mas a minha consciência vale bem mais do que aquela amizade... não posso ser mais sincera que isto... De que me vale ah e tal somos bue amigos e eu viver amargurada por mentir ou omitir a uma das minhas melhores amigas? Sim não vale... não pelo menos para mim...

Nunca me quis meter na relação deles mas não podia compactuar com esta situação...

No meu lugar não teriam feito o mesmo?

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Palavras que podiam ser minhas

[Não é por gostarmos de alguém que perdemos a identidade, que temos que deixar de ter os nossos dramas e lutas interiores. Não é por gostarmos de alguém que deixamos de ter as nossas inquietações, aquelas que só nós conseguimos lidar. Gostar de alguém implicar partilhar tudo, mas, por vezes, não adianta dividir algo que apenas nós conseguimos descodificar. Eu sou um ser estranho, dou por mim a pôr a minha vida a balanço, numa retrospectiva minha, da minha vida, das minhas atitudes, das minhas ações. Nesses momentos eu preciso de um tempo só meu, de ficar alienada de conversas comezinhas, dos problemas, de tudo. Ninguém é obrigado a perceber, mas eu sou obrigada a dar um passo atrás, porque eu ainda tenho direito de ter um tempo meu. Só comigo e os meus fantasmas, os meus dramas, as minhas inquietudes e que só eu consigo voltar a fechar no armário. É um trabalho de uma pessoa só. Não adianta tomarem partido, levarem a peito, ficarem ofendidos. Eu preciso alienar-me a mim, não por causa de ninguém, mas por causa de mim e só de mim, num exercício necessariamente egocêntrico, mas imprescindível.
Quanto mais liberdade me derem mais célere será o processo, caso contrário ligo o modo de defesa e protejo esta minha necessidade ao máximo e aí os estragos são piores e mais significativos.

Eu sou mulher, tenho dramas e tpms, hoje estou feliz e amanhã já coloco a minha vida toda em causa, agora posso ser um doce com alguém e daqui a pouco posso nem lhe falar na rua, dar o meu melhor sorriso, como o meu olhar mais ameaçador, sou este turbilhão e muito mais, não preciso que me entendam, só que me respeitem.]


 TIrado daqui 

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

É horrivel

É complicado veres a tua melhor amiga sofrer,  ouvires, reparar, perceberes em determinadas coisas e pensas " bolas quando souber disto vai sofrer tanto..."
Querer proteger, querer que ela saia daquele sofrimento, querer que ela tire aquele sentimento e aquela pessoa dentro do coração o mais rápido possível.

1- É horrível saber que a pessoa que gostamos namora com outra pessoa
2- É horrível veres que ele está apaixonado
3- É horrível saberes que ela de qualquer maneira nunca ia ser feliz com ele
4- É horrível ele te dizer que vai morar com a namorada e  o primeiro pensamento ser " Porra ela vai odiar saber disto"
5- É horrível pertencermos todos a um grupo de amigos

Há situações muito complicadas... mas o tempo.. esse cura tudo!



Sou horrível não sou?

Ás vezes acho que sou má pessoa...

Há pouco quando a MIRR me disse que o V falou em ir viver junto com a namorada verão/outono 2014 foi como se levasse uma facada nas costas!

Viver junto? Com uma gaja que conhece há 2 meses? Mas tá assim tão apaixonado? Mas tá parvo? Endoideceu?

Mas que raio de M$rd# se está aqui a passar?

Desejei-lhes "mal" muito "mal".... Desejei que esta relação acabasse de vez, que fossem muito infelizes, que ele se fartasse dela, que a mandasse pastar, apeteceu-me magoá-lo (s), senti-me negativa, senti raiva, senti ódio, senti revolta, angústia, mágoa...

Esta não sou eu... eu não desejo mal a ninguém, não odeio ninguém, não magoou ninguém deliberadamente...

É um ódio que vem de dentro, que magoa, que me atinge como um furação, que me leva a ser má quando sei que não sou...

Óbvio que depois contrabalança com o pensamento do "gosto dele" "só o quero ver feliz" mas este meu "dark side" deposita em mim pensamentos de revolta em relação a eles...

Não consigo mesmo conviver com  isto... Nunca mais na vida voltaremos a ser os mesmos... o fosso já é tão grande que rapidamente será impossível transpô-lo... e sim eu sei que sou eu que estou a criá-lo mas é porque perto é como se ele me estivesse a espertar com uma faca bem afiada e ou crio a distância de segurança criada pela "escavação" de um fosso maior ainda para que o gume da faca permaneça o mais longe possível...

Na verdade não gosto de nenhuma das situações, nenhuma me é confortável mas a ferida já aberta não me deixa agir de outra forma...

Pensar nele como Apaixonado magoa-me mais que tudo...

Sou horrível não sou? :(




quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Mentira tem perna curta... diria CURTÍSSIMA

Quando de repente numa estranha e infeliz coincidência dás por ti a apanhar em flagrante uma mentira dita por um amigo teu que coincidentemente é namorado de uma das tuas melhores amigas...
A questão é: o que fazer nestas situações? Conto? Não conto? Finjo que não sei? Confronto-o?

Atendendo à minha personalidade e antes de meter os pés pelas mãos decido confrontá-lo... Lá admite que mentiu mas sempre numa atitude defensiva e que foi uma mentira sem maldade e sem nenhum objectivo... Na tentativa vã de desvalorizar o seu comportamento perante mim...
Tentativa mega falhada, deixou-me numa terrível posição, com uma vontade imensa de contar tudo à minha amiga...
No lugar dela não queriam que vos contassem? Eu iria querer com toda a certeza... E por isso me custa porque o que a minha consciência manda é que abra o jogo e eles que resolvam... Faço o meu papel de amiga...

A MIRR diz para não contar nada... É o que vou fazer mas se apanho uma próxima não há amizade que me segure... Detesto mentiras e gente a querer fazer os outros de otários... Ainda para mais amigos meus...

E será que esta foi uma mentira sem objectivo? Será que há algo por detrás desta reacção estúpida?
Neste momento questiono tudo e todos honestamente...

Toda a gente já mentiu, fosse para se proteger, ou para proteger outra pessoa... a questão aqui é uma coisa são mentiras protectoras outras são mentiras sem nexo e sem aparente propósito... ou será que têm? Perguntas e desconfianças que assim ficam no ar...




terça-feira, 28 de outubro de 2014

O terrível medo da Traição # 2

Concordo com tudo com a L&L disse mas há aqui 2 factores que também influenciam que a pessoa seja desconfiada:


1- Ja ter sido vitima de traições anteriores
2- ter conhecimento da realidade em que vivemos.


Saber o que se passa à nossa volta faz-nos ser mais desconfiados, ter mais medo de ser enganados, as pessoas andam mais atentas.
Confio no meu namorado mas não posso ser ingénua ao ponto de achar que só acontece aos outros e já tenho passar por algumas coisas mais desagradáveis, acabo por ser uma pessoa desconfiada.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O terrível medo da Traição

Hoje apeteceu-me escrever sobre este tema que é um assunto há muito debatido entre mim e a MIRR... O Terrível Medo de Sermos Traídos, que sim todos temos mas uns bem mais que outros na verdade...

Cheguei há relativamente pouco tempo à conclusão que quem mais sofre com este medo terrível é quem efectivamente mais trai...

Se alguma incoerência nesta atitude? Sim e não... Senão vejamos,

Não será de facto mais normal que quem tenha esse tipo de comportamento ache mais "normal", possível outras pessoas terem esse mesmo comportamento?

Porque serão as pessoas mais desconfiadas as menos confiáveis?

Nós seres humanos temos uma tendência a acreditar que os outros teriam reacções semelhantes às nossas, porque a nossa visão das coisas muitas vezes não nos permite ver com os olhos de outro alguém... E temos sempre a idiota mania de acharmos que a nossa visão é a certa... nem sempre meus caros...

Por isso com toda a lógica inerente pensam: Se eu traio porque ele/ela não me trairá? Se eu minto porque não me mentiriam?

Meus queridos traidores natos acreditem que há muito boa gente por ai que não consegue ter esse mesmo tipo de comportamento...

Lá por tu teres essa capacidade não quer dizer que todos tenhamos ou que tu sejas um alvo especial desse tipo de situações infelizes...

Trair? Bom trair penso que todos temos essa capacidade... Já me fiz essa pergunta a mim mesma e sim seria capaz de trair, mas jamais trairia por uma noite, por um envolvimento fugaz... Sei que seria capaz de trair se tivesse apaixonada, ai sim sei que seria possível e sei que a maioria de nós era capaz de tão vil feito...

A questão aqui põe-se no depois... E depois da traição consumada o que fazer?
Acho que aqui mostras muito do teu carácter, a tua capacidade de lidar com o erro, de assumir, de não enganar (pelo menos não enganar mais) a outra pessoa...
Admiro e abomino quem consegue trair e a seguir estar com a pessoa como se nada fosse... Tenho a certeza que se fosse eu cada vez que estivesse com essa pessoa, a visse, a tocasse iria ter a terrível imagem do que fiz... Iria assombrar-me e não conseguiria conviver com uma mentira, traição, tamanha...

Mas meus caros amigos há tão boa gente que o é capaz de fazer, de forma displicente, como se nada fosse com eles, com a chamada maior "cara de pau" do mundo, levam a sua vida com a maior das normalidades, mentindo, ludibriando quem for preciso, quantas vezes forem necessárias...
Infelizmente já assisti de perto a quem seja capaz de o fazer e confesso que fico assustada com a capacidade de encenação de algumas pessoas... De fingirem que está tudo bem, que nada aconteceu quando tu sabes o quanto a paz sentida é podre, suja e cravejada de mentiras... E sim são estas mesmas pessoas a quem o medo da traição mais assombra, o medo de provarem do próprio veneno, o medo de que o outro/a seja igual a eles próprios...

Talvez não haja maior castigo para quem trai que ser assombrado eternamente com o medo terrífico de serem eles um dia a vítima, de estarem do outro lado da barricada, de não serem eles a controlar, de serem eles os traídos e não os traidores...





   

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Olhar para o passado...

Ok é Sexta Feira a vontade de trabalhar encontra-se BASTANTE diluída e o que acontece? Sim resolvi ver um antigo blog que chegamos a ter com outras amigas onde falávamos das nossas angústias do dia a dia...
Começo a ler alguns textos (principalmente os meus) e reparo que 70% são sobre uma relação estranha que vivo há mais de um ano com alguém de quem o que mais queria era distância... cerca de um ano depois e reparo que pouco ou nada mudou desde então... A verdade é que a nossa relação já passou por inúmeras fases:


  • de meros desconhecidos a amigos de café, algumas conversas de facebook nada que me abalasse um segundo; 
  • De envolvimentos físicos sempre que podíamos;
  • De amigos que embirram um com o outro, que gozam um com o outro, que estão em permanente tensão, que passam a vida a discutir... 
  • Dos amigos que ligam para saber se estamos bem, que vão beber café, que combinam saídas... 
  • Dos amigos que se preocupam um com o outro... 
  • Meros desconhecidos que nem se falam...
E é nesta última fase que estamos. Cortei-o da minha vida por milhares de razões obviamente bastante suportado com o facto de existir uma terceira pessoa na vida dele... 

Mas o engraçado e que consigo ver em todos aqueles textos a noção exacta do que sempre fomos, que nada disto faz sentido e ainda assim um ano depois ainda cá estou a falar dele e deste sentimento que me apega a ele... Incrível como não me consigo distanciar... posso me distanciar fisicamente mas cá dentro continua a bater por ele como há um ano atrás... Desconhecia esta minha capacidade de ser burra por tanto tempo seguido... Ás vezes consigo surpreender-me a mim própria lol 


A perfeição do imperfeito

O mundo das relações é no mínimo muitooooo complicado...
Personalidades diferentes que com a paixão se moldam mas não mudam... nunca tenham essa ilusão... ninguém muda de personalidade, podem limar-se arestas, pode um sentimento maior falar mais alto mas a mudança tem sempre um prazo de validade há um dia em que todos nós nos revelamos...

Com várias coisas que aconteceram na minha vida, uma delas em especial, aprendi que não vale a pena fingirmos que não vemos, fingirmos que não nos afecta, fingirmos que não sentimos, fingirmos que não gostamos, fingirmos que não estamos lá, fingirmos que ele não está aqui, dentro do nosso coração...
Quando mais tentas fugir disto mais os sentimentos te perseguem, mais dificuldade tens em te controlar, mais dificuldade tens em conseguir conviver com este flagelo...

Mais vale assumires de uma vez o que és e o que realmente pensas... Não gostas? diz... Sentes ciúmes? assume... Não te escondas atrás da capa do Sr./Sr.ª perfeito/a... Não cola e ninguém acredita só tu mesmo...

Não somos perfeitos, ninguém é, e tenho pena de quem ache que exitem pessoas perfeitas ou que tenham a pretensão de o ser... Não! ninguém é! Todos nós falhamos, cometemos erros, sendo que a na maioria deles são causados por falhas no carácter ou impulsos do coração... São as mais comuns razões de, como se costuma dizer, "por o pé na poça"!

Acho sempre mais criticável a falha no carácter porque impulsos do coração todos nós já tivemos e sim o coração sofre de cegueira selectiva ou seja, só vê o que quer, como quer e quando quer...

E sim todos nós em algum momento da nossa vida sofremos dessa "cegueira", lá está ninguém é forte o suficiente para um dia não cair nas malhas do "falhanço", podes fugir mas não te podes esconder... há um dia em que todos nos apaixonamos, há um dia em que todos erramos, há um dia em que todos nos revoltamos, há um dia em que tudo mudamos, há um dia em que a máscara da perfeição cai e puff

Enfim, perfeição só nas histórias de encantar da disney e mesmo essas às vezes acabam mal... Lá por gostarmos de alguém temos de gerir a expectativa que temos nesse alguém porque o alvo do nosso amor também erra, também desilude, também não é perfeito... pelo menos não na forma como esperamos que o seja...

A perfeição é inimiga da felicidade porque nos aprisiona a um conceito utópico que em algum momento da nossa vida, estrondosamente, nos esmaga e magoa...




Não digas nada!

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver...
Não digas nada
Deixa esquecer
Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada...
Mas ali fui feliz
Não digas nada.
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Felicidade



Hoje na nossa conversa diária falamos como a definição de Felicidade depende tanto da forma como encaras a vida e não se tens uma boa vida.
A Busca da vida perfeita e é uma utopia e se vives nessa busca nunca te vais sentir feliz.
Sendo racional, pés assentes na terra, não vives num mundo da fantasia à espera da vida da Disney nunca vais aproveitar o bom que a vida te vai dando.
A Felicidade está na forma como se encara a vida.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

O peso da "procriação"

Acabo de ler uma notícia que me deixa de facto estupefacta!

Em resumo há 19 anos atrás uma mulher, na altura com cerca de 50 anos, foi operada na Maternidade Alfredo da Costa a um problema ginecológico simples, onde lhe foi danificado o nervo pudendo passando a ter dificuldades a andar, sentar-se bem como nas relações sexuais que só aconteciam com muito sofrimento da lesada, ficando assim com a sua vida sexual comprometida. 

Após 19 anos de luta judicial e chegados agora ao Supremo Tribunal Administrativo, depois de vários recursos, a lesada vê a sua indemnização de € 172.000 diminuída para € 111.000 por Exmos. Juízes Conselheiros deste Tribunal considerarem que esta se encontrava em “idade em que a sexualidade não tem a importância que assume em idades mais jovens, importância essa que vai diminuindo à medida que a idade avança”.  

Pois gostaria que os Exmos. Juízes me explicassem, a mim e a várias mulheres, onde foram buscar essa ideia peregrina que a sexualidade vai perdendo importância à medida que a idade avança... 

Só vejo uma explicação para esta tomada de posição, aos meus olhos ridícula, os juízes do STA são todos homens e com bem mais que 50 anos e provavelmente insatisfeitos com a sua vida sexual... Não acredito que ninguém tenha comprovado cientificamente que o apetite sexual se perca com a idade ou que a partir dos 50 a vida sexual não ocupa o mesmo papel importante que ocupa aos 30. 

Uma pessoa com uma incapacidade de 73% para qualquer profissão que tem dores a sentar-se, andar, incontinência urinária e fecal e com uma vida sexual comprometida para toda a vida vê a sua indemnização ser diminuída pelo STA por se considerar que o bem tutelado tem um valor menor pela lesada, à data da cirurgia, ter 50 anos! 

O peso que ainda é dado ao valor da procriação em detrimento do valor da vida sexual saudável da mulher é gritante e inadmissível nos dias que correm... 

Ainda muito temos a caminhar nesta odisseia de pensamento, mentalidade em Portugal e sim este é uma notícia que deve ser dada ao mundo como uma (mais uma) vergonha na justiça portuguesa... 

  

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

"O problema não és tu sou eu"

Quarta feira, dia 22 de Outubro, às 18.30h lançamento do novo livro da Ana Garcia Martins, vulgarmente conhecida como "a pipoca mais doce" e que se chama "O problema não és tu sou eu"
Lá estarei ansiosa para devorar este livro e esperar que a pipoca me responda sinceramente:

Ser solteiro é uma virtude ou ser solteiro é uma merda?

Podemos mudar um homem?

Daremos o feedback e se gostam do tema não percam este lançamento ;)


Ligações que não se explicam

Quantas vezes me dizes que há ligações que não se explicam. Como o amor. 
E quando não é amor? Quando sentes uma ligação a uma pessoa mas no fundo sentes que não é amor, não é amizade, não é atracção sexual. Mas é o quê? Ligação cósmica ou astrológica ou outra coisa qualquer fora da nossa compreensão. 
Há pessoas que tem uma marca especial na nossa vida, que sentimos algo que é único e inigualável... 

Algo que não se explica + O amor não se explica = Amor? 


sábado, 18 de outubro de 2014

Hoje (só hoje)

Hoje apetece-me dizer que estou a sofrer...
Se me custa dizer isto? Como se estivesse a ser marcada com um ferro em brasa...
Que hoje não estou bem, que sinto a tua falta, que queria estar contigo...
Que me custa todas as horas, minutos e segundos em que me afasto de ti...
Hoje acordei assim prostrada no meu sofrimento de ter retirado abruptamente da minha vida e de ser tarde demais para voltar atrás...
Hoje ganhei coragem fui ver o teu face não encontrei nada que me tivesse magoado... Só me magoa a minha saudade, o meu sentimento, a minha vontade e a minha atitude...
Magoa-me não entender porque me sinto tão ligada a ti, de onde vem este sentimento estúpido e sem explicação... PORQUÊ?
Não te vejo há séculos, não falo contigo, não há interacções contigo e mesmo assim continuas sempre presente... Penso em ti todos os dias, sinto a tua falta, das tuas bacoradas, de gozar contigo, de discutir contigo, de ir beber café contigo, dos teus telefonemas a meio da tarde só para dizer olá...
Nunca foste a pessoa que imaginei para mim, nunca foste o meu príncipe encantado... Mas sim corria o mundo por ti, embarcava em tudo contigo por mais que eu negue numa tentativa falhada de salvar a minha sanidade mental...
F**CK****
Mas isto é só hoje... só hoje...




Musica mais linda


terça-feira, 14 de outubro de 2014

O Tempo é Precioso

Como ja falei aqui algures o ano passado sai daqui para ir trabalhar para Angola. Tinha vários objectivos e sempre referi que o monetário, que é o que leva muita gente a embarcar nestas aventuras, nos meus estava quase em último.
Tinhas muitos objectivos pessoais e quero falar de um deles.
Estive 3 anos solteira e nesse tempo posso dizer que vivia nos meus tempos livres para os meus amigos, todos os dias estava com algum, a minha vida social teve o meu ponto máximo, não era sair à noite, apanhar bebedeiras todas as noites nem nada parecido. Mas todos os dias estava com algum amigo, podia ser apenas um café a seguir ao jantar. Óbvio que habituei mal os meus amigos, sempre fui a disponível, a amigona, a que estava lá para todas as ocasiões. O que muda quando arranjas um namorado.
As tuas prioridades mudam e senti necessidade de realmente organizar a minha vida social.
Quando disse que ia para Angola pelo menos 6 meses foi uma bomba para todos.
Embarco e estavam lá todos os meus amigos, a choradeira total.
Durante a estadia tive aquela que falava e sabia todos os meus passos todos os dias, aqueles que se lembravam de mim todas as semanas, todos os meses, os que se lembravam do café quando sabiam que estavam cá e aqueles que nunca me deram uma palavra.
Ora vamos lá ver, não quero que falem comigo todos os dias, nem se preocupem, nem ser o centro do universo de ninguém, é mais que normal andarem na vida deles e alguns até se lembravam de mim, quando precisavam de falar com alguém. Depois não me venham fazer exigências que QUEREM estar comigo ESTA semana, ou que têm saudades minhas  e que estou desaparecida.
Neste momento divido o meu tempo com os mais importantes e especiais e uma vez por outra lá estou com os outros.

P.S - Quando voltei de vez cheguei as 5.30 da manhã, o único que me fui buscar foi o meu namorado.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Hoje em Debate - Falar de Trabalho

Hoje falamos daquelas pessoas que falam  muito do trabalho todos os dias e o pior é que normalmente é para se queixarem.
Há uma linha que separa aquelas pessoas que de vez em quandoooooo, acontece algo fora de normalidade que comenta com os amigos ou os respectivos e aquelas pessoas que SÓ falam do trabalho e como trabalha tanto e como é injustiçada e como não tem tempo para nada e o chefe é uma atrasado mental etc etc etc. "ai tão cansada que eu ando que me farto de trabalhar"

É chato para quem ouve, um dia tudo bem, dois tudo bem, mas há quem seja assim sempreeeee! Vamos la reflectir se andamos a chatear as pessoas com o nosso dia a dia no trabalho, ninguém merece e normalmente não interessa a ninguém!

Dedicatórias

Sabem aquele mania parva de ouvires uma música e encaixares alguém nelas?

Sim eu tenho essa mania lol

Esta dedicava a alguém que entrou na vida no nada e ocupou um espaço que há muito ninguém ocupava... foi aquele que pela primeira vez tive vontade que evoluísse e que tudo desse certo... Encantei-me por ele, admirava-o, queria-o comigo, queria viver coisas com ele... Mas a distância (ou não!) afastou-nos, países diferentes, realidades diferentes, meses sem nos vermos... e sim às vezes "meia dúzia de metros de distância é maior que um sentimento"... e sim neste caso a "distância pagou-se cara", afastou-nos de vez... ainda falamos mas longe, muito longe, do que um dia já fomos... Se queria que tudo tivesse sido diferente? ui se queria... Mas não foi por isso nada resta senão aceitar, sorrir e andar para a frente... Vai ser sempre alguém que vou querer bem, vou torcer pelas suas vitórias, tenho um carinho especial por ele mas não há nada mais a fazer, nem sequer a dizer na verdade...

Outra dedicatória,


Esta dói um pouco mais mas a realidade é que há alguém que me podia cantar isto que faria todo o sentido... 
"Eu não digo a ninguém, que me queres e preferes, 
Aos outros que tu tens, eu sei
Que é difícil quando o clima é propício controlares esse teu vício
que tens por mim desde do início, ok
Eu quero e faço por isso e tu queres um compromisso
Eu sou mais de improviso e tu só queres ficar bem
E ficas doida comigo por teres noção do perigo
Mas eu não sei se consigo dar-te tudo o que tenho"

Sim, há alguém neste momento que me podia cantar isto... Que me podia dizer cada uma destas frases... Relações loucas que não se entendem nem se aceitam e que por isso custam a morrer... Há sempre uma réstia de sentimento que tentas apagar mas não consegues... Tratas mal quando tudo o que queres é tratar bem, dizes mal quando só queres dizer bem, criticas quando só queres elogiar... odeias quando só queres amar... 

Enfim, situações diferentes mas que em ambas a única coisa a fazer é aceitar e tentar seguir em frente quando achamos que merecemos mais... e sim acho que mereço bem mais... Mas não pude deixar de pensar nestas duas pessoas... AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII 






quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Inicio de Relações

Quando se começa uma relação toda a gente tem medos e receios.
Medo do desconhecido, medo de se entregar, medo do que possa acontecer, das desilusões que podem surgir. Medo de falhar, medo de não atingir as expectativas do outro, medo de assumir perante os outros. Medo de ser enganado, medo de ser traído, medo de alguma forma magoar a outra pessoa. Medo de mentiras, medo de omissões. Medo de dizer ou fazer algo de errado. Medo de se dedicar demais, medo de amar.
Faz parte todos estes medos...acho que acima de tudo tem que se viver as coisa com calma, viver um dia e cada vez e as coisas vou acontecendo naturalmente. 

É muito bom gostar de alguém e até uma certa altura parece tudo perfeito. Apenas se tem o lado bom do outro e é fácil. Mas nem sempre é assim. Não se pode deixar de pensar que uma relação é composta por duas pessoas (Pelo menos deveria ser!!!!) e cada pessoa tem uma personalidade diferente, tem uma vida diferente e tudo isso necessita de uma adaptação e de encaixe. Eu quero acreditar que para além de respeito, amizade, compreensão, o mais importante é o sentimento que une essas pessoas, se for verdadeiro tudo se supera e tudo corre bem.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Um restaurante " À Parte"

Talvez o meu restaurante favorito.
É uma antiga casa de habitação transformada num restaurante, pode-se ficar na sala, na cozinha, no jardim ou até na dispensa. Cada sala parece um novo restaurante com uma decoração diferente. Variando de salas escuras e minimalistas a salas totalmente brancas e acolhedoras. 
A relação preço/ qualidade é excelente. Fica no Saldanha na avenida Defensores de Chaves. Não se vão arrepender garanto! 

domingo, 5 de outubro de 2014

Só a Morte Desperta os Nossos Sentimentos

"Não amaremos talvez insuficientemente a vida? Já notou que só a morte desperta os nossos sentimentos? Como amamos os amigos que acabam de deixar-nos, não acha?! Como admiramos os nossos mestres que já não falam, com a boca cheia de terra! A homenagem surge, então, muito naturalmente, essa mesma homenagem que talvez eles tivessem esperado de nós, durante a vida inteira. Mas sabe porque nós somos sempre mais justos e mais generosos para com os mortos? A razão é simples! Para com eles, já não há deveres.
É assim o homem, caro senhor, tem duas faces. Não pode amar sem se amar. Observe os seus vizinhos, se calha de haver um falecimento no prédio. Dormiam na sua vida monótona e eis que, por exemplo, morre o porteiro. Despertam imediatamente, atarefam-se, enchem-se de compaixão. Um morto no prelo, e o espectáculo começa, finalmente. Têm necessidade de tragédia, que é que o senhor quer?, é a sua pequena transcendência, é o seu aperitivo.
É preciso que algo aconteça, eis a explicação da maior parte dos compromissos humanos. É preciso que algo aconteça, mesmo a servidão sem amor, mesmo a guerra ou a morte. Vivam, pois, os enterros!" - Albert Camus, in 'A Queda'


Mais uma vez acordamos com a notícia de uma morte prematura, de alguém com a vida exposta à opinião pública, alguém a quem a morte chamou cedo demais... Mais uma vez é a prova viva de que quando chega a nossa hora nada pode ser feito a não ser aceitar... RIP Rodrigo Menezes 

 

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Gargalhadas Matinais - Ser amiga é

Eu:  Estava a falar com o S.  irmos ao Matateu ou então a Praia das maças jantar um naco na pedra que adoroooo. Vens conosco? ele também estava a pensar falar com 1 amigo ou outro

L&L:  LOl um  amigo ou outroMIRR?     não é um date certo? :P

EU: NÃOOOO LOL

L&L: LOOL tu não me assustes detesto isso lol 

EU: NADA DISSO


De seguida:

EU para S. Amor ve lá quem vais convidar... vai lá à secção dos amigos giros

ahahhahah 


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Sushiiiiiiii

Como me esqueci do pormenor que ADORO Sushi!?

Favoritos: 

Sushitime - Expo
Suntory - Forum Picoas
Sushi chic - Hotel Almada

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Um muito de nós...

Esta é a materialização de algo que fazemos há muito... conversar...

Acabo de ler o teu texto MIRR e penso na capacidade do perdão que tives-te naquela altura... porque sim de facto foram coisas de adolescentes, imaturas, infantis mas a realidade é que tinhamos tudo para não sermos amigas e somos... Há sentimentos maiores que tudo e não duvido que o nosso é um deles... Não haveria amor maior que o amor da amizade... Da nossa amizade...
Sempre senti o peso de ter "perdido" a nossa amizade por causa dessa situação... falei muitas vezes disso a amigas minhas... Lembro-me de ver o programa "Alta Definição" e quando o Daniel Oliveira perguntava: "Deves um pedido de desculpa a alguém?" Eu pensava "se esta pergunta me fosse feita eu só tinha uma pessoa a quem queria ter pedido desculpa" Tu MIRR
Enfim esta é uma história mais que ultrapassada, bem resolvida para nós e nada que assombre a nossa relação.
Tu és de facto a minha soulmate, não somos iguais, não temos a mesm opinião em tudo, não temos s mesmas atitudes em todas as situações mas temos um entendimento profundo... Um sentimento que nos une talvez de outra vida...
Nada faz mais sentido que este cantinho só nosso... Onde tudo se fala, onde tudo se sente...

A par de ti vou enumerar a forma como me vejo:

1. Sou irascível (tenho uma dificuldade imensa em dominar a raiva dentro de mim) mas tento ser justa em tudo o que faço;
2. Adoro a àrea do Direito, da moda e do convívio (

UPSSS :P)
3. Signo aquário (adoro astrologia e sim acredito nela);
4. Amo a praia, o mar, o sol (fazem-me sentir viva) ah e sushi amooo sushi;
5. Detesto estar apaixonada porque me sinto frágil;
6. Tenho uma mania terrível de descobrir erros ortográficos sejam escritos ou até falados por qualquer pessoa (e sim quando tenho confiança corrijo sem dó nem piedade);
8. Sou demasiado provocadora mas detesto ser provocada;
9. É raro tirar fotografias a mostrar os dentes (não percebo porquê!)
10. Tenho uma secreta vontade de abandonar tudo e mudar de país.
 
E muito mais coisas havia a dizer mas... leiam o blog que vão descobrindo ;)

Coisas sobre mim

1 -Tenho outro blogue há 3 anos
2- Tive em Angola 8 meses, estou de regresso há 1 mês e meio
3 - Tenho namorado
4- Sou nutricionista
5 - Distraída que doí
6 - Sou alfacinha saloia
7 - Signo Gémeos
8 - Não sou obcecada por moda, nem compras nem vejo todos os dias o site da Zara
9- O que mais me custa é não saber falar inglês fluentemente
10- Adoro surpreender
11- Não tenho animais de estimação nem penso ter, só porque acho que não tenho o que é preciso para se ter um animal.
12 - Adoro conhecer coisas novas
13-  Todos os fins de semana vejo o mar


terça-feira, 30 de setembro de 2014

Um pouco de nós...

Tinha 14 anos,  mudaram me de turma, só de raparigas que não estava habituada e conheci a M. cumplicidade à primeira vista, ficamos inseparáveis, 2 anos numa relação como irmãs,  durante as aulas, ao fim de semana, dormíamos juntas, ninguém nos separava. Era a minha melhor amiga.
Até ao dia que se apaixonou pelo meu namorado na altura,. Maior desilusão da vida.
10 anos sem contacto, cumprimentava nos na rua mas nada de conversas.
Há sentimentos que o tempo não apaga e apesar de longe ia espreitando a vida dela, ia tendo notícias. Sempre fomos parecidas na forma de pensar e de esta  e naquilo que via no facebook dela acha que isso continuava, que apesar de longe estavamos a crescer  no mesmo sentido.
Percebi que tinha acabado o namoro de 7 anos recentemente, começou a meter likes naquilo que publicava e eu nas coisas dela. Coincidências estranhas e assustadoras levaram me a falar com ela e foi tão bom perceber que aquilo que sentia por ela era mútuo.
Estava a precisar de mim mais que nunca, já a  tinha perdoado há muitos anos afinal foram coisas de adolescentes parvas.  Fomos jantar   e como foi incrível  perceber que passaram 10 anos separadas e crescemos no mesmo sentido, somos tão parecidas, temos a mesma postura na vida, temos a mesma forma de pensar e temos o mesmo carinho e respeito uma pela outra.
No fim da noite disse-me que apesar do tempo  passou,  e ter passado muita gente pela vida dela e nunca sentiu a química e amizade que sentia por mim. Posso dizer o mesmo.
Passamos horas e horas e horas na conversa a falar do presente, do passado e do futuro, contando passamos 7 horas seguidas juntas e a conversa aparecia com uma facilidade incrível.
Desde esse dia nunca mais nos voltamos a separar... e tanto já aconteceu!